Ferramenta sobre medidas de distanciamento social para o enfrentamento da Covid-19 é desenvolvida em projeto do INCT IATS/UFG

Ferramenta permite a visualização de dados que podem auxiliar na tomada de decisões relacionadas à pandemia

Está disponível para consulta a ferramenta, desenvolvida em projeto com participação do INCT para Avaliação de Tecnologia em Saúde (INCT IATS), que permite a visualização  de dados que podem auxiliar na tomada de decisões relacionadas à pandemia. A ferramenta Medidas de distanciamento social e evolução da COVID-19 no Brasil é fruto da cooperação entre a Universidade Federal de Goiás (UFG), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia (SPE/ME).

A plataforma exibe o número de casos e óbitos por COVID-19 e a data da implementação de cada medida de distanciamento social ao longo do tempo, para cada Unidade da Federação (UF). Também é possível visualizar o momento epidemiológico da implementação de cada medida e o índice de rigidez dessas medidas por UF, de forma isolada ou juntamente com o índice de isolamento social. Esses dados são apresentados na forma de gráficos ou tabelas.

PASSO 1: Visualização dos dados na interface gráfica

Ao acessar a plataforma do projeto, o usuário irá visualizar, na página principal, uma apresentação da ferramenta e, na sequência e em destaque (figura abaixo), números de casos e óbitos por COVID-19 no Brasil e um panorama sobre as medidas de distanciamento social implementadas pelas UFs do país.

Na coluna à esquerda, estão os ícones de acesso para os gráficos e as tabelas geradas pela ferramenta, seguidos das informações sobre os idealizadores do projeto e detalhamento do mesmo no ícone Sobre, e acesso ao ítem “Termos e Condições de Uso” da ferramenta.

PASSO 2: Começando a navegar

O ícone “Casos x Óbitos e medidas de distanciamento por data” permite ao usuário acessar uma interface gráfica interativa que apresenta, em uma única figura, o número de casos e óbitos (por data da notificação e data de ocorrência) por COVID-19 e a data da implementação de cada medida de distanciamento social ao longo do tempo.

Nesta interface, na coluna lateral à esquerda, o usuário pode escolher a forma de contagem de eventos (novos eventos ou acumulados ao longo do tempo), a unidade (número absoluto, taxa por milhão de habitantes ou média de novos eventos nos últimos 7 dias), a escala (linear ou logarítmica), o tipo de medida de distanciamento social (dentre as 6 categorias consideradas), a localidade (UFs, macrorregião, país) e o período no tempo que se deseja visualizar os dados.

A interface gráfica interativa do ícone seguinte, “Eventos e medidas de distanciamento por data”, apresenta um gráfico com o número de eventos (casos confirmados, óbitos confirmados por data da notificação ou óbitos por data de ocorrência por COVID-19) e a data da implementação de cada medida de distanciamento social ao longo do tempo, para cada UF. Diferentemente da interface anterior, o usuário pode selecionar, na coluna lateral à esquerda, além das mesmas opções, o evento (casos confirmados, óbitos confirmados ou óbitos por data de ocorrência) que deseja visualizar e a possibilidade de comparação por  UF.

O ícone “Medidas de distanciamento pelo n-ésimo evento” permite ao usuário acessar uma interface gráfica interativa que gera um gráfico com o número de eventos (casos confirmados, óbitos confirmados por data da notificação ou óbitos por data de ocorrência por COVID-19) e a data da implementação de cada medida de distanciamento social em relação ao momento epidemiológico da epidemia de COVID-19.

O momento epidemiológico considera o número de eventos ocorridos em um dado momento (n-ésimo evento). Diferentemente dos gráficos gerados pelos ícones descritos acima, que apresentam a data cronológica no eixo horizontal, este gráfico apresenta neste eixo o tempo em número de dias desde o n-ésimo evento.

Assim como nos demais ícones, o usuário pode escolher o evento (casos confirmados, óbitos confirmados ou óbitos por data de ocorrência), a forma de contagem (novos eventos ou acumulados ao longo do tempo), a unidade (número absoluto, taxa por milhão de habitantes ou média dos últimos 7 dias dos eventos), a escala (linear ou logarítmica), o tipo de medida de distanciamento social (dentre as 6 categorias consideradas), o número inicial de eventos considerados como referência epidemiológica (n-ésimo evento), e a localidade (UFs, macro-região, país) que deseja visualizar. Pode, ainda, ser selecionada a opção para visualizar as trajetórias das UFs para comparação.

PASSO 3: Tabela das medidas de distanciamento

O ícone “Tabela – medidas de distanciamento pelo n-ésimo evento”, apresenta o tempo (em número de dias) em que ocorreu a implementação de cada medida de distanciamento social, considerando o momento epidemiológico. Assim, cada medida é apresentada como tempo em dias antes (-) ou após (+) o n-ésimo evento de COVID-19 em cada UF. O usuário pode escolher, na coluna lateral à esquerda, o evento (casos confirmados, óbitos confirmados ou óbitos por data de ocorrência), o tipo de medida de distanciamento social (dentre as 6 categorias consideradas) e o número inicial de eventos considerados como referência epidemiológica (n-ésimo evento) que deseja visualizar. A ausência de informação indica que determinada medida não foi implementada.

As tabelas podem ser geradas em arquivos CVS, Excel e PDF. Podem também ser copiadas ou impressas diretamente pelo sistema.

PASSO 4: Índice de rigidez das medidas de distanciamento social

Por meio da ferramenta, também é possível visualizar o índice de rigidez das medidas de distanciamento social clicando nos dois ícones seguintes. O índice de rigidez é composto por seis variáveis, as quais medem: i) se a realização de eventos, assim como o funcionamento de estabelecimentos culturais, esportivos ou religiosos foi suspensa; ii) se atividades de bares, restaurantes e similares foram suspensas; iii) se atividades de estabelecimentos comerciais e de serviços em geral (exceto essenciais) foram suspensas; iv) se atividades de estabelecimentos industriais (exceto essenciais) foram suspensas; v) se aulas foram suspensas; e vi) se foram introduzidas restrições ao transporte de passageiros. 

Para todas estas variáveis foram atribuídos os valores de 2, 1 ou 0 conforme a suspensão ou restrição fosse total, parcial ou inexistente. Como a soma dos valores teria variações entre 0 e 12 (por serem seis variáveis), os valores do índice foram ajustados para que estivessem entre 0 e 10 (uma escala mais intuitiva), sendo que 10 são casos de maiores restrições.

O primeiro ícone com dados deste índice, “Medidas de distanciamento – Índice de rigidez”, apresenta o grau de rigidez das medidas de distanciamento em uma determinada data por UF. O usuário pode escolher se quer visualizar o índice agregado ou separado por categorias que formam o índice, a UF e o período de tempo que se deseja visualizar os dados. Pode também ser selecionada a opção para visualizar as trajetórias das demais UFs para comparação.

O segundo ícone, “Índice de rigidez x Índice de isolamento”, apresenta o grau de rigidez das medidas de distanciamento em uma determinada data (linha da cor azul) em relação ao índice de isolamento social (linha da cor laranja) por UF. O usuário pode escolher, na coluna lateral a esquerda, a localidade (UF ou país), escala do índice de isolamento (valor absoluto ou média móvel de 7 dias) e o período de tempo que deseja visualizar os dados.

Todos os gráficos e as tabelas gerados por esta plataforma estão disponíveis para download.

Autora do texto: Lara Lívia Santos da Silva

Editor: Luiz Sérgio Dibe

Comentários desativados