Pesquisadores do IATS desenvolvem panorama da ATS no Brasil em publicação sobre saúde suplementar

Publicação está disponível gratuitamente para acesso no site do IESS

Em 2020, o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) lançou o livro “Saúde Suplementar: 20 Anos de Transformações e Desafios em um Setor de Evolução Contínua”, uma iniciativa para tentar identificar, analisar e compreender as mudanças introduzidas na saúde suplementar brasileira nos últimos 20 anos.

O livro apresenta quinze artigos de pesquisadores nacionais sobre o tema de modo a compreender o atual momento e os desafios impostos e, assim, apontar alguns indicativos para onde se caminha. Entre os autores, estão dois pesquisadores do IATS – a Prof. Dra. Carisi Anne Polanczyk, coordenadora do Instituto, e o Prof. Dr.  Denizar Vianna, membro Comitê Gestor do IATS.

Em seu artigo, os autores desenvolveram um panorama da ATS (Avaliação de Tecnologia em Saúde) no Brasil, apontando os órgãos e instituições envolvidos nessa área, como a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) e Comitê Permanente de Regulação da Atenção à Saúde (COSAÚDE).

Segundo os autores, “apesar das particularidades do SUS e da saúde suplementar brasileira gerarem um contexto complexo e único em nosso País, é importante observar experiências aplicadas em outros países, avaliando seus modelos, processos de funcionamento e resultados”. Dessa forma, Polanczyk e Vianna apresentam iniciativas de outros países. São destacados pelos autores o National Institute for Clinical Excellence (NICE), na Inglaterra, e o Canadian Agency for Drugs and Technologies in Health (CADTH), no Canadá.

Em suas conclusões, os autores indicam que, apesar do trabalho desenvolvido pela CONITEC e pelo COSAÚDE, são conhecidos os obstáculos e as dificuldades ao modelo adotado no Brasil.

“Entre eles, a escassez de recursos humanos qualificados e isentos para emissão de pareceres e relatórios, a ausência de dados epidemiológicos e clínicos em âmbito nacional para subpopulações e doenças específicas, a falta de padronização nas estimativas de micro e macrocusteio, orçamento restrito, entre outros”, afirmam.

Interessados em acessar o livro, conseguem fazer o download do material na íntegra e gratuitamente no site do IESS.

Comentários desativados