Análise de oportunidades de melhoria do acesso dos pacientes com câncer de próstata ao tratamento com radioterapia no SUS

Apresentação

A implementação bem-sucedida de práticas de gerenciamento de saúde orientadas a valor exige avanços para fornecer um serviço mais eficaz, reduzindo o desperdício ao longo da trajetória do paciente no sistema de saúde. Métodos inovadores de negócios e engenharia, como design thinking, re-engenharia de prestação de serviços e o método de custeio baseado em atividades e tempo (TDABC) são apresentados na literatura como técnicas poderosas para contribuir para maior garantia de qualidade ao fornecer um serviço centrado no paciente. A compreensão de como os pacientes consomem os recursos do sistema de saúde contribui com a identificação de oportunidades de melhoria dos processos o que pode resultar em economia de custos  ou de melhoria de desfechos clínicos.

As evidências sobre impacto relacionado ao atraso do início da radioterapia no câncer de próstata localizada são escassas. Provavelmente para os pacientes de baixo risco, o atraso da radioterapia não resulte em nenhum prejuízo a curto prazo. Entretanto, para os pacientes com câncer de próstata de alto risco, a demora do início do tratamento pode resultar em morbidade para o paciente. No biênio 2017-2018, 192 pacientes com câncer de próstata foram tratados com radioterapia, na cidade de Porto Alegre (Painel de Oncologia – DataSUS). Entre as instituições que realizam o procedimento no sistema público de saúde no município de Porto Alegre, tem-se a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, o Hospital de Clínicas e o Hospital São Lucas da PUCRS. Nessas instituições, 88% dos pacientes iniciaram o tratamento com radioterapia mais de 60 dias após o diagnóstico do câncer de próstata (Painel de Oncologia – DataSUS), ou seja, não estando em conformidade com a lei dos 60 dias.

Entre os motivos para esse período ser longo, está a dificuldade de gestão e priorização dos pacientes pelo sistema de saúde a partir do momento em que o paciente é diagnosticado com a doença em uma instituição. Acredita-se que a forma como é feita a condução interna em cada instituição apresenta variações e que, entre os hospitais que ofertam o serviço, há oportunidades de identificação de potenciais melhorias que possam causar redução de custos e de tempo entre diagnóstico e início do tratamento se estudadas de forma detalhada e sistemática.

Esta pesquisa tem por objetivo identificar oportunidades para melhorar o acesso dos pacientes com câncer de próstata ao tratamento com radioterapia externa no SUS. Três hospitais da rede de atendimento pública de saúde foram convidados para compor o estudo e contribuir com amostra de pacientes e dados institucionais que permitam a realização dos estudos de custos, sendo eles: Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Hospital São Lucas da PUCRS e Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Estes hospitais concentram 100 % dos procedimentos de radioterapia em pacientes com câncer de próstata realizados na cidade de Porto Alegre. A condução deste projeto se fragmenta em três macro etapas: a análise da trajetória dos pacientes submetidos à radioterapia no município de Porto Alegre; a comparação entre os as atividades, tempos e recursos consumidos das instituições e a estruturação de framework para análise de custos e eficiência. Espera-se ao término desse projeto gerar uma ferramenta incluindo o desenho de estado atual, futuro e eficiente e contemplando a modelagem para avaliação de custos para cada instituição. A ferramenta será acompanhada de um guia de orientação de coleta de dados financeiros, input de dados e sugestões de análises. Esta ferramenta também poderá ser utilizada por outras cidades integrantes do projeto City Cancer Challenge, sendo necessária a condução das etapas de entendimento do fluxo de cuidado para que ela possa ser adaptada a realidade de cada região. Por fim, as etapas metodológicas seguidas serão consolidadas em um relatório de apresentação de resultados com detalhamento e orientação sobre como aplicar cada uma das ferramentas e métodos. Esse documento é entendido como um guia para que outras cidades do City Cancer Challenge possam replicar a pesquisa realizada e melhorar a eficiência dos tratamentos de radioterapia.Adicionar blocoAdicionar bloco

Status: Em Andamento
Início: Março/2021

Conclusão Prevista: Março/2022
Eixo temático: Serviços de Saúde e Políticas Públicas

Eixo metodológico: Análises Econômicas
Institução coordenadora:
IATS


Instituições participantes:
Hospital das Clínicas de Porto Alegre
Santa Casa de Porto Alegre
Hospital São Lucas
Fonte de fomento:
Varian
Coordenação:
Rafael Vargas


Integrantes: 
Ana Paula Beck da Silva Etges
Luciana Lara
Carine Blatt
Tadeu Ludwig do Nascimento
Carisi Anne Polanczyk
Ricardo Cardoso

Em Andamento