Saúde Baseada em Evidências: efetividade de intervenções de estilo de vida por meio do m-Health na melhoria da saúde cardiovascular de adultos e idosos

Apresentação

A Saúde Baseada em Evidências pode ser definida como a utilização cautelosa, explícita e sábia da melhor evidência existente na tomada de decisões envolvendo a estratégias e ações voltadas à promoção de saúde, prevenção de doenças, prognósticos e/ou tratamento de diversas patologias das populações (Johnston  et al., 2019).

O aumento exponencial de evidências científicas envolvendo a Ciência da Saúde tornaram-se públicos evidenciando o compromisso mundial de pesquisadores de alto nível nesta área. Entretanto, processar as informações existentes diante o corpo literário volumoso e crescente têm-se tornado um desafio. A necessidade de agrupar sistematicamente as evidências das pesquisas científicas na área da Saúde se faz presente para propiciar a reflexão dos profissionais de saúde tomadores de decisão aos campos de incerteza remanescentes e, desta forma, apoiar conceitos seguros (Horne 2020; Reddy et al., 2019).

A doença pelo Coronavírus 2019 (COVID-19), causada pelo vírus da síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2), acometeu mais de 127 milhões de indivíduos. 2,7 milhões de mortes foram confirmadas em todo mundo, sendo 10% no Brasil (John Hopkins University, 2021). Desde o aparecimento do SARS-CoV-2, e o reconhecimento deste agente causador do novo coronavírus, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e autoridades sanitárias têm disseminado a necessidade de higienização das mãos, superfícies e objetos com água e sabão ou com álcool em gel 70%; ausência de contato com olhos, nariz e boca; uso permanente de máscara facial; alimentação saudável e manutenção do sono; isolamento e distanciamento social. uso de máscaras, higienização correta das mãos para o cuidado quanto à etiqueta respiratória (Center for Disease Control and Prevention, 2020; World Health Organization, 2020).

Observou-se desde então, a descontinuação do tratamento clínico bem como ausência ao uso de Serviços de Saúde por indivíduos com problemas cardiovasculares com a urgência na reinvenção da relação entre o usuário e os profissionais do Serviço de Saúde (Santos et al., 2020). As doenças cardiovasculares, atualmente, constituem importante grupo de causas de morte no país. Dentre essas, destacam-se as isquêmicas do coração que são as principais causadoras de Parada Cardiorrespiratória, levando a um impacto na mortalidade destes pacientes no SUS (Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2021; Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2019)  

É conhecido que doenças cardiovasculares estão associadas à maior mortalidade relacionada à COVID-19, e que a doença pode se associar a uma reação inflamatória exacerbada, que é responsável pela lesão pulmonar e pode levar à injúria miocárdica e disfunção ventricular (Azeredo, 2020; Tajbakhsh et al., 2021). Entretanto, a prevalência de alterações CV relacionadas à doença e seu impacto prognóstico ainda é desconhecido. Estudos pregressos têm confirmado as hipóteses do aumento de números de óbitos domiciliares durante este período por doenças cardiovasculares sem diagnóstico prévio da COVID-19 (Guimarães et al., 2021).

Ferramentas de telessaúde para assistência e educação em saúde têm grande potencial de atuação nos desafios apresentados (Nascimento et al., 2020a; Souza et al., 2021) . Os recursos disponibilizados pela saúde móvel permitem a ampliação do alcance e da utilização das diversas ferramentas em telessaúde em diferentes cenários e, portanto, configura-se como proposta promissora para a oferta de uma assistência à saúde integral e de qualidade para os indivíduos (Nascimento et al., 2020b, Marcolino et al., 2021).

A Portaria no 467, de 20 de março de 2020, regulamentou, em caráter excepcional e temporário, as ações de telemedicina, de modo a operacionalizar as medidas de enfrentamento à epidemia de COVID-19. Em seu artigo 2o, a portaria especifica que “as ações de telemedicina de interação à distância podem contemplar o atendimento pré-clínico, de suporte assistencial, de consulta, monitoramento e diagnóstico, por meio de tecnologia da informação e comunicação, no âmbito do SUS, bem como na saúde suplementar” (Brasil, 2020).

Diante da importância de evidências científicas robustas que abordem a incorporação de ações de m-Health e telessaúde na atual situação da pandemia em que é necessário a proteção dos profissionais de saúde e a redução da demanda da população às unidades de saúde, com este projeto pretende-se elaborar uma revisão sistemática sobre aeficácia de intervenções de estilo de vida por meio do m-Health na melhoria da saúde cardiovascular de adultos e idosos. Neste contexto, a presente proposta visa desenvolver o arcabouço necessário por meio de revisões sistemáticas com objetivo futuro do desenvolvimento e validação de novas ferramentas de telessaúde que visem contemplar ações de atendimento pré-clínico e suporte assistencial, no âmbito do SUS.

O objetivo geral do projeto é realizar revisão sistemática da literatura sobre a pergunta norteadora: “Intervenções de estilo de vida por meio de ferramentas de saúde digital (m-Health e telessaúde) são efetivas na melhoria da saúde cardiovascular de adultos e idosos em tempos de COVID-19?”. Os objetivos específicos são: Avaliar a efetividade do planejamento dietético em alterações antropométricas, exames laboratoriais, dor, capacidade funcional e qualidade de vida; Avaliar a efetividade de orientações de atividade física em alterações antropométricas, exames laboratoriais, dor, capacidade funcional e qualidade de vida; Avaliar a efetividade da combinação de planejamento dietético e orientações de atividade física em alterações antropométricas, exames laboratoriais, dor, capacidade funcional e qualidade de vida.

Esta pesquisa fará parte do projeto de pesquisa intitulado “TELECOVID-19: INTERVENÇÃO MULTIFACETADA USANDO FERRAMENTAS DE TELESSAÚDE PARA ENFRENTAMENTO DA COVID-19” realizado pelo Centro de Telessaúde do Hospital das Clínicas da UFMG (CTS/HC-UFMG).

 A busca da informação, apresentação e interpretação dos dados serão realizados com base no método Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA, disponível em http://www.prisma-statement.org/) e todas as etapas possuirão registro prévio pelo International prospective register of systematic reviews (PROSPERO, disponível pela Universidade de York, em https://www.crd.york.ac.uk/PROSPERO/).

A seleção dos termos (palavras-chave ou descritores) para a busca da informação será realizada mediante consulta ao Medical Subject Headings(MeSH) adaptado a cada base de dados (sob consulta dos similares nos Descritores em Ciências da Saúde e Emtree). Subdivididos em grupos, os descritores encontrados serão pareados utilizando os operadores booleanos de pesquisa: aspas, parênteses, “AND” e “OR”. Após a elaboração da estratégia de busca sensível e específica, os artigos serão identificados através de uma pesquisa eletrônica nos bancos de dados Medline, Embase, Cochrane Library, LILACS, Web of Science e CINAHL. A literatura cinza consistirá dos anais de congressos mundiais, nacionais ou locais na área de saúde, além da hand search.

Serão incluídos ensaios clínicos randomizados realizados em adultos e idosos em que houve a comparação entre grupo intervenção (pacientes acompanhados por m-Health) e grupo controle, ou seja, àqueles pacientes que não tiveram acesso a este tipo acompanhamento ou que não sofreram quaisquer intervenções no grupo controle. Não haverá restrição em relação ao idioma e ano de publicação dos estudos.

Serão excluídos estudos observacionais, revisões narrativas, integrativas, sistemáticas, rápidas, living review, scoping reviews ou metanálises, relatos ou série de casos; pesquisas que não realizaram acompanhamento por m-Health; estudos que não avaliaram parâmetros de saúde cardiovascular. Os critérios de exclusão serão divididos em grupos, em etapa prévia à exclusão. Todas as etapas de exclusão serão realizadas de forma independente por dois pesquisadores. As discordâncias serão avaliadas por um terceiro avaliador.

Os estudos serão avaliados quanto à qualidade metodológica. Se os estudos apresentarem hetoregeinecidade recomendável será realizado metanálise tratar os dados globais dos artigos selecionados por meio dos softwares R com extensão R Studio e RevMan 5.4.1. 

Publicações relacionadas:

GUIMARÃES, N.S., et al. Aumento de Óbitos Domiciliares devido a Parada Cardiorrespiratória em Tempos de Pandemia de COVID-19. Arquivos Brasileiros de Cardiologia v.116, n.2, p.266-271, mar., 2021. Link.

MARCOLINO, M.S., et al. Development and Implementation of a Decision Support System to Improve Control of Hypertension and Diabetes in a Resource-Constrained Area in Brazil: Mixed Methods Study. Journal of Medical Internet Research, v. 23, n. 1, e18872, jan., 2021. Link.

Status: Em andamento
Início: Junho/2021

Conclusão prevista: Dezembro/2021
Eixo temático: Doenças
Doenças Cardiovasculares e Fatores de Risco
Hipertensão Arterial, Diabetes Mellitus, Obesidade, Terapias
Doenças Infecciosas e Tropicais
Serviços de Saúde e Políticas Públicas

Eixo metodológico:
Revisões Sistemáticas da Literatura
Metanálises
Instituição coordenadora:
UFMG

Instituição participante:
IATS
Fonte de fomento:
CAPES
Coordenação: 
Milena Soriano Marcolino (UFMG)

Integrantes:
Nathalia Sernizon Guimarães
(UFMG)

Em Andamento