Ciência, tecnologia e inovação em saúde durante a pandemia da COVID-19: o desafio de integrar as infraestruturas de conhecimento para as necessidades públicas

Resenha do artigo:

Renan Gonçalves Leonel da Silva, Roger Chammas, Hillegonda Maria Dutilh Novaes. Rethinking approaches of science, technology, and innovation in healthcare during the COVID-19 pandemic: the challenge of translating knowledge infrastructures to public needs. Health Research Policy and Systems (2021); 19:104. https://doi.org/10.1186/s12961-021-00760-8

Partindo do contexto da pandemia da COVID-19, os autores do artigo apresentam uma discussão sobre como as prioridades em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) em saúde tem endereçado ou não as necessidades de saúde pública. Durante a pandemia tem sido observada muita dificuldade em integrar a infraestrutura de ciência e tecnologia para o desenvolvimento de soluções que auxiliem no enfrentamento da doença ao redor do mundo. Essa observação revelou importantes assimetrias nas plataformas globais de conhecimento biomédico e em saúde, assim como um sistema ineficiente de governança e comunicação entre as estratégias de CT&I e a saúde pública.

Para ilustrar seus argumentos, os autores utilizam a medicina de precisão como um exemplo da grande assimetria existente entre a infraestrutura técnica e política de abordagens específicas de CT&I em saúde e as necessidades de saúde pública. O engajamento em torno da medicina de precisão tem direcionado abordagens acadêmicas e narrativas da comunidade científica, agendas de negócios, impulsionando o desenvolvimento de novas pesquisas, produtos e serviços direcionados ao nível individual, sem que isso resulte em integração efetiva em políticas públicas para os sistemas e serviços de saúde.

O que se observou durante a pandemia foi que o conhecimento e práticas de CT&I acumulados ao longo dos últimos anos, e em especial na medicina de precisão, não realizaram todo seu potencial para contribuir na diminuição do impacto da crise sanitária sobre a sociedade. Na opinião dos autores, foram fatores que contribuíram para este fato: ferramentas de governança insuficientes, não priorização do fortalecimento institucional e falta de coordenação política entre os diferentes atores de CT&I em saúde e dos sistemas e serviços públicos de saúde.

Os autores apresentam ainda quatro dimensões sociais interpretativas para expandir a compreensão do fenômeno, baseados na literatura sobre políticas de ciência e tecnologia em saúde. O aprendizado trazido com a pandemia trouxe à tona a importância de se avançar em novas formas de integrar o conhecimento científico com as práticas de saúde pública. Para isso, aponta-se a ciência da implementação como caminho possível de avanço na área.

O trabalho contou com financiamento do IATS e da FAPESP, tornando possível a apresentação de uma importante discussão sobre as iniciativas de desenvolvimento tecnológico em saúde pública, incentivando a reflexão sobre como prover acesso a novas tecnologias em saúde em crises futuras.

Elaborada por
Ana Carolina de Freitas Lopes
Hillegonda Maria Dutilh Novaes
Data da Resenha
14/09/2021
Eixo Temático
Serviços de Saúde e Políticas Públicas
Eixo Metodológico
Pesquisas Epidemiológicas