Padrão metodológico e de relato em revisões sistemáticas com meta-análise de estudos de atividade física: um relatório da Iniciativa SEES (Strengthening the Evidence in Exercise Sciences Initiative)

Resenha do artigo:

Oliveira, N.L., Botton, C.E., De Nardi, A.T. et al. Methodological quality and reporting standards in systematic reviews with meta-analysis of physical activity studies: a report from the Strengthening the Evidence in Exercise Sciences Initiative (SEES Initiative). Syst Rev 10, 304 (2021). https://doi.org/10.1186/s13643-021-01845-9

O volume de publicações no formato de revisões sistemáticas com ou sem meta-análise (RSMAs) tem crescido de forma consistente na área das ciências da saúde nas últimas décadas. Este tipo de revisão de literatura é aceito como uma fonte de evidência valiosa, altamente citada por publicações posteriores e amplamente utilizada para informar a tomada de decisão clínica, o desenvolvimento de diretrizes de prática clínica e políticas de saúde. Entretanto, tem se observado que diversas RSMAs, nas ciências da saúde, são mal conduzidas, possuem baixo padrão metodológico e quantidade insuficiente de informações relatadas. Tais evidências de práticas de pesquisa de baixa qualidade prejudicam a reprodutibilidade das RSMAs, tornando os achados menos verificáveis, críveis e informativos, com provável desperdício de recursos financeiros ou não financeiros. De forma simplificada, a reprodutibilidade requer rigor metodológico, relatórios detalhados e transparência no desenho, condução, análise e avaliação crítica das evidências científicas sintetizadas na RSMA.

A ciência do exercício, uma subárea das ciências da saúde, também utiliza as RSMAs para dar suporte teórico/prático ao planejamento e aplicação de estratégias, baseadas na prática de atividade física, para a prevenção e tratamento de várias condições clínicas. Contudo, estudos investigando questões de padrão metodológico e de relato de RSMAs, dessa importante área da saúde, são escassos. Por conseguinte, desenvolvemos e implementamos uma iniciativa em formato de vigilância para avaliar mensalmente as práticas de pesquisa das publicações em ciências do exercício, denominada Iniciativa SEES (Strengthening the Evidence in Exercise Sciences Initiative). Especificamente, nosso objetivo foi avaliar, de forma sistemática e prospectiva, os padrões metodológicos e de relato de RSMAs de atividade física em periódicos selecionados no campo das ciências do exercício e medicina geral, bem como divulgar nossas descobertas publicamente e fornecer feedback direto para autores e editores dos periódicos.

Resumidamente, durante todo o ano de 2019, realizamos buscas mensais na base de dados PubMed / MEDLINE em periódicos das ciências do exercício (n = 9) e medicina geral (n = 5). Para serem elegíveis, as RSMAs deveriam sintetizar estudos que tivessem, pelo menos, um braço consistindo de intervenções/exposições de atividade física e um desfecho de saúde. Para avaliar a qualidade metodológica e de relato das RSMAs, elaboramos um formulário padronizado com base em documentos amplamente disponíveis e referenciados na literatura (i.e., PRISMA: Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses Statement; AMSTAR 2: A MeaSurement Tool to Assess systematic Reviews; ROBIS: Risk of Bias in Systematic Reviews). Este formulário foi composto por 36 itens e foi preenchido de forma independente por dois pesquisadores. É digno de nota, que neste estudo, a qualidade metodológica refere-se a quão bem a RSMA foi planejada e conduzida, levando em consideração os processos de análise, síntese e avaliação crítica das evidências selecionadas. Além disso, a qualidade de relato refere-se aos detalhes e integridade das informações fornecidas ao longo do relatório de pesquisa da RSMA.

Cento e três RSMAs foram incluídas e avaliadas. Em termos gerais, a adesão mínima aos 36 itens avaliados foi de 13 itens e apenas uma RSMA aderiu a todos os 36 itens. Alguns dos itens apresentando maior adesão foram: identificação do título como RSMA (97,1%) e as descrições do desfecho principal no resumo (95,1%) e a avaliação do risco de viés (95,1%). Em contrapartida, a existência de um protocolo metodológico publicamente disponível (4,9%), discussão dos resultados à luz do risco de viés em estudos individuais (32,0%) e declaração sobre compartilhamento de dados (35,9%) estiveram entre os itens com menor aderência, indicando possíveis ênfases que podem ser abordadas por meio de recursos educacionais e políticas editoriais.

Por fim, observamos uma aderência abaixo do ideal às práticas recomendadas de padrão metodológico e qualidade de relato nas RSMAs de intervenção/exposição de atividade física avaliadas nos periódicos selecionados em 2019. Em consequência, essa aderência subótima (às vezes baixa) às práticas recomendadas poderá limitar a reprodutibilidade e a credibilidade dos achados das RSMAs e, consequentemente, a utilização das evidências geradas para a tomada de decisão clínica. Em outras palavras, este fato pode levar a um desperdício evitável de recursos e, em última análise, prejudicar a aplicação/uso das intervenções de atividade física investigadas, prejudicar os resultados alcançados por aqueles que se submetem a essas intervenções (pacientes/indivíduos em geral) e prejudicar a confiança geral nas ciências do exercício. Essa evidência incipiente de nossos primeiros 12 meses de vigilância pós-publicação deve servir como um chamado para atenção e ação para as várias partes interessadas neste importante campo de pesquisa em saúde (por exemplo, autores, revisores, editores, financiadores, instituições acadêmicas).

Elaborada por
Nórton L. Oliveira
Data da Resenha
28/12/2021
Eixo Temático
Doenças Cardiovasculares e Fatores de Risco
Hipertensão Arterial/Diabetes Mellitus/Obesidade/Terapias
Outras Doenças Não-Transmissíveis
Eixo Metodológico
Revisões Sistemáticas da Literatura